Poema de Rosa Maria Mano: O ovo da serpente





Que eu possa olhar pra mim de novo.
E me inteirar de tanta perfeita beleza.
E das miudezas, fragilidades, feiuras.
De um muro coberto de heras sobre cal branca.
Que eu possa me ver pelos cantos,
ser diminuta por um instante.
Me encontrar na plataforma onde aguardo a viagem,
o rosto em chamas, machucado ainda do orvalho.
Esta de mim que está viva e marinada,
impossível como quem sabe nada
e possível como a fera sob a cama,
quer descobrir o mal que deslumbra.
Um ser pulsante, impessoal e arrebatador,
como um imã retorcendo pontes.
Como se me abraçassem morte e vida.
Urgente, retirar a manta do costado,
diluir no rio que me corta.
E, de tão pequena, me fazer ausente,
transmutadas meias-verdades,
sublevadas encantações, ressurgidas candeias.
Insurgente ovo da serpente-humana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Editora Singularidade

Jean Narciso Bispo Moura

SÉRIE AMAITÉ